O aparelho fixo funciona sem as bandas (anéis)?

Quando o ortodontista cola os brackets mas não coloca as bandas nos molares, o aparelho fixo já começa a funcionar? Ou só após a cimentação das bandas é que o tratamento começa efetivamente?

Esta é uma dúvida muito comum aqui no blog e vamos tentar respondê-la de uma vez por todas.

Em primeiro lugar, para quem não compreende ainda os termos “banda”, “anel” e “tubo” eu recomendo a leitura deste outro post: Bandas (ou anéis), usar ou não?

aparelho-fixo-banda-e-tubo-ortodontico

banda e tubo ortodontico

…Continue lendo…

O perigo das bandas mal-adaptadas

Se você usa aparelho, é provável que tenha bandas (anéis metálicos) nos molares.

As bandas são usadas para evitar descolamentos repetidos dos tubos dos molares e funcionam muito bem quando estão bem adaptadas à anatomia do dente.

Mas se não houver esta adaptação em que a banda fica bem justa no dente, você pode ter problemas durante o tratamento.

Como isso pode acontecer?

O problema está na cimentação da banda.

Quando há uma adaptação perfeita, a quantidade de cimento que fica entre o dente e a banda é mínima formando uma linha de cimento finíssima.

Isso protege o cimento do contato direto com a saliva.

Mas se houver um espaço grande entre o dente e a banda devido à uma má adaptação desta, será necessária uma grande quantidade de cimento para compensar esta diferença.

A linha de cimento, ou seja, a parte do cimento que vai ficar em contato com a saliva, fica muito grossa e começa a sofrer ação das enzimas salivares se dissolvendo lentamente.

Assim se cria um espaço sem cimento entre o dente e a banda. Neste momento você pode sentir que a banda não está completamente presa ao dente e apresenta certa mobilidade (normalmente subindo e descendo).

Durante a mastigação, este espaço é preenchido por resíduos alimentares que dificilmente serão removidos com a escovação dos dentes e do aparelho.

E então pode haver gosto desagradável na boca, mau hálito, sangramento gengival no local, inflamação da gengiva em torno da banda, penetração da banda no sulco gengival e até mesmo problemas mais graves como abcessos periodontais e cáries extensas.

Por isso você deve sempre estar atento às bandas do seu aparelho e em caso de mobilidade ou qualquer alteração nos tecidos adjacentes, converse com o seu ortodontista para evitar complicações desnecessárias.

Lembre-se que a prevenção garante um tratamento mais tranquilo.

Para entender um pouco mais sobre o assunto veja o artigo sobre o funcionamento do aparelho sem bandas ortodônticas.